FICHA TÉCNICA: Director: Fernando Veloso (+258.84.2120415 / +258.828405012 / veloso.f2@gmail.com) * Av. Samora Machel, n.º 11, Prédio Fonte Azul - 2.º Andar, Porta 4, Cidade de Maputo * CANAL i, Lda. (+258.823672025) * CANALMOZ - diário digital * CANAL DE MOÇAMBIQUE - semanário

Cambios

DATA: 27/02/2014

Moeda Compra Venda
EUR 42.63MT 43.49MT
USD 31.03MT 31.65MT
ZAR 2.89MT 2.95MT

Fonte: BCI - 07h36

 

Vídeo da semana

Israel vai expulsar imigrantes clandestinos africanos

  Reforço dos transportes ferroviários na região sul  

CFM vai adquirir 10 novas locomotivas

 

Maputo (Canalmoz) - A empresa Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM-sul) vai adquirir 10 novas locomotivas para reforçar a sua frota a nível da zona sul.

O anúncio foi feito esta quinta-feira, em Maputo, pelo presidente do Conselho de Administração da empresa, Rosário Mualeia, à margem da terceira Conferência e Exposição da Associação das Empresas Portos e Caminhos de Ferro da África Austral (SARA), que vinha decorrendo desde a passada terça-feira na capital moçambicana.

Segundo Mualeia, as 10 locomotivas, que em princípio deverão estar no país dentro de um ano e três meses, serão adquiridas na África do Sul e custarão 33 milhões de dólares norte-americanos.

Para além de reforçar os processos de mobilidade e de manuseamento de mercadorias diversas, as 10 locomotivas irão permitir à empresa CFM poupar muito dinheiro, dado que neste momento a maioria das locomotivas usadas são alugadas.

Mesmo sem revelar o valor que os CFM gastam em aluguer de locomotivas, Rosário Mualeia referiu que anualmente a sua empresa perde muitos milhões de dólares norte-americanos em aluguer, daí que com aquisição das 10 locomotivas haverá poupança destes valores.

Ainda no âmbito de reforço da sua frota, os CFM vão adquirir mais 50 vagões para incrementar a sua capacidade de transporte de mercadorias e passageiro também a nível da zona sul.

“Neste momento só temos a capacidade de manusear cerca de três milhões de toneladas de produtos diversos, o que é muito pouco para o tamanho dos CFM”, disse Rosário Mualeia.

“Esta situação deve-se à exiguidade de locomotivas e de vagões com que a empresa se debate neste momento, razão pela qual decidimos reforçar a nossa frota visando o incremento da nossa capacidade de transporte de mercadoria e de passageiros a nível da zona sul”, explicou o PCA dos CFM. (Raimundo Moiane)